Diga alguma coisa!

Imagem - Acis e Galatea, de Auguste-Louis-Marie Ottin


Mas dizer o quê?
que amo e quero
e sonho acordado com você?
Isso já disse. Que ainda espero
mas não sei bem o quê, nem porquê?

Que a respiração pode ser quente
mas meu olhar, distante e frio
como aquela tarde de inverno...
Que minhas mãos errantes, tateiam no vazio,
em busca da sua rosa, de uma pétala ao menos,
mas a flor caiu no rio que leva os amores plenos

Que a minha inspiração vazou,
os pensamentos fugiram,
os neurônios, desmaiaram
mas meus demônios não dormiram?

Que enquanto minha saudade
fita o distante presente
como um pesadelo silente,
minha língua, o sabor doce do seu beijo, ainda sente?

Que o vento gelado me contou,
me assoprou no ouvido uma lenda
ao cortar minha carne macia,
de mim, de você, da gente

Não quero mais parte,
nem a metade aceito.
Se o todo é impossível, ai de mim,
como pode meia chama arder no peito?

Deixo assim, em desespero profundo,
no velho vento, a saudade
de tudo neste mundo
que não chegou a ser,
pra certamente, mais tarde,
voltar a me arrepender.

Amo, quero, preciso, espero.


2 comentários:

Adriana Costa disse...

Que lindo poema!!!!!
Ainda não conhecia este blog, escondendo o ouro, não é?
Agora que encontrei estarei sempre por aqui =D
Beijos @>--

Elizabeth disse...

Lindo mesmo!!!
Se não se importa, vou colocar em meu blog, com os devidos créditos, é claro!
Quanto ao comentário que vc fez no blog do Nilo Jr, com o qual colaboro, não sei se ele lhe respondeu... mas como a postagem foi minha, tomo a liberdade de opinar: aquele vídeo, que circula pela Internet, não só pode, como DEVE ser divulgado! Apenas, se não se importar, coloque um link para o blog VEM QUE AKI TEM. E... se não for pedir muito... para o meu também!...rsrsrs...
Um grande abraço e parabéns pelo seu blog! Sucesso!!!
'Last, but not least': aceita parceria?